• (31) 3264.9584
  • (31) 9 8899.0769
  • contato@abormg.org.br
  • Quais seriam os riscos e as limitações do tratamento ortodôntico?

    07/01/2015

    O tratamento ortodôntico apresenta riscos e limitações; felizmente, tais complicações não ocorrem com frequência e geralmente não causam consequências maiores, porém elas devem ser consideradas pelas partes interessadas (paciente ou responsável e profissional).

    1-      Cáries e manchas permanentes:podem ocorrer se os pacientes não higienizarem corretamente os dentes.A utilização da escova e do fio dental, portanto, se fazemabsolutamente necessários. O seu ortodontista lhe dará as orientações necessárias para uma eficaz higienização;

    2-      A reabsorção radicular, que é a redução do comprimento das raízes dos dentes, é inerente ao tratamento ortodôntico; em geral, tais reabsorções são de pequena magnitude e não causam prejuízos. Entretanto, em raros casos, esta reabsorção radicular pode ser excessiva, comprometendo seriamente a longevidade dos dentes envolvidos. Nestes casos, considera-se que a causa é idiopática, ou seja, desconhecida. Alguns pacientes apresentam uma predisposição a este tipo de problema mais sério.

    3-      A saúde dos tecidos de suporte (osso alveolar) e de proteção (gengiva)pode ser afetada pela movimentação ortodôntica, principalmente quando houver alterações anatômicas desfavoráveis (como por exemplo, pequena faixa de gengiva inserida) ou uma condição patológica prévia ao tratamento (doença periodontal). As Gengivites (inflamação das gengivas) podem ser agravadas durante o tratamento ortodôntico, caso não se faça um rígido controle de placa bacteriana. Em casos específicos, o tratamento periodontal (inclusive cirúrgico) poderá ser necessário antes, durante ou após a terapia ortodôntica. Embora sejam tomadas as precauções necessárias, em algumas situações específicas, poderá haver perda de elemento(s) dentário(s) durante o tratamento ortodôntico.

    4-      Recidiva: Os dentes e os ossos maxilares têm uma tendência a retornar à sua posição original após o término do tratamento. Esta “recidiva” pode ser bastante reduzida, se os pacientes seguirem fielmente as recomendações do ortodontista durante o período de contenção, fase esta que se inicia após a remoção do aparelho fixo. Entretanto, não se pode esquecer que ao longo da vida ocorrerão alterações adversas na oclusão do paciente, decorrente de várias causas, entre elas a erupção dos terceiros molares, crescimento craniofacial, respiração bucal, desgaste normal dos dentes e outros hábitos orais que estão fora do controle do ortodontista. Além destes fatores, uma deficiência de osso alveolar (sequela de doença periodontal, por exemplo) pode “permitir” que forças suaves dos tecidos bucais alterem a posição dos dentes. Portanto, nestas situações, pode haver a necessidade de retratamento ortodôntico.

    5-      DTM (Desordens Temporomandibulares): Sabe-se que as alterações da articulação temporomandibular (ATM) são pouco relacionadas à oclusão dentária. As DTM, sejam musculares ou articulares, causando dores localizadas ou difusas, ruídos (click e crepitação) e outros sintomas, podem ocorrer com ou sem tratamento ortodôntico.As suas origens estão mais relacionadas a fatores sistêmicos, emocionais, anatômicos, etc. Não se pode esperar, portanto, que o tratamento ortodôntico atue diretamente na solução destes problemas.

    6-      Relação com tratamento endodôntico (canal): Em alguns casos a movimentação ortodôntica poderá agravar uma condição patológica existente (dentes previamente tratados endodonticamente, traumatizados, ou com restaurações extensas). Tal agravamento poderá requerer tratamento endodôntico destes dentes.

    7-      O bruxismo (ato de ranger ou apertar os dentes) pode provocar um desgaste anormal dos dentes; esta condição pode ocorrer com ou sem o tratamento ortodôntico, e sua origem está mais relacionada ao stress emocional do indivíduo. O tratamento ortodôntico não possui, portanto, relação com o bruxismo.

    8-      Má-formações dentáriassão processos biológicos que estão fora do controle do ortodontista. Estes desequilíbrios podem alterar a oclusão e, portanto, a qualidade final do tratamento. Nestes casos, pode haver a necessidade de intervenção de outras especialidades.

    9-      Doenças sistêmicas: Algumas doenças podem afetar o tratamento ortodôntico; o ortodontista deve ser informado de quaisquer distúrbios endócrinos, renais, diabetes e outros. Além disso, deve também ser informado de qualquer medicamento que o paciente esteja tomando.

    10-  Irritação: Alguns aparelhos (braquetes e aparelhos extra-orais) podem provocar irritações ou lesões (aftas) na mucosa oral; tais lesões costumam aparecer logo após a colocação do aparelho. Entretanto, na maioria dos casos, têm regressão simples e não chegam a ser um problema.

    11-  Manuseio incorreto de alguns aparelhos: Os aparelhos extra-orais, quando manuseados inadequadamente, podem causar danos à face (inclusive aos olhos); para evitar problemas, pede-se não utilizar tais aparelhos quando estiver correndo ou praticando esportes. Em caso de acidente, comunicar imediatamente com a clínica.

    12-  Outras especialidades: Os riscos envolvidos em procedimentos de outras especialidades devem ser discutidos com os cirurgiões dentistas responsáveis.